MARGARETT LEITE / VALQUE SANTOS

  margarett leite de  oliveira  

 

  RECIFE NO CORAÇÃO DE GALÉU
(TEXTO DE MARGARETT LEITE -GALÉU)


O Recife me viu a menina, com o coração pulsando de amor pela cidade.
Os olhos marejados de felicidade, na infância dos sonhos que não se vão.
Deslizava a menina com a pureza na alma, relicário da infância.
Pura, como era o ouro da capela dourada seus olhos percorriam as via públicas;
Ruas limpas sem papel, asfalto liso. Nas margens do rio o sonho vivia
E a menina segurando a mão do pai até o próximo quiosque de mate
Vestindo organdi com sapato de verniz, perfume de jasmim, borboleta singela.
Recife encantada, cidade do século da colonização, das pontes ,das águas.
Mate com maçã, mate com leite, mate que mata a sede do teu passado.
Na ponte, elo entre o seu povo e os rios, passavam os meus sonhos infantis.
Nos barcos eternos, imensos, perenes, da época da Cidade Mauricéia, sonho meu.
Principesca e solene, a cidade, ocultava-se nas igrejas , nos Santos
Do Pau Oco e no seu Sangue Marrano que se erguia nas sinagogas e em dourados castiçais entre incensos e prantos humanos.
As imagens ainda vivas, povoavam agora o meu sonho , de Menina Galéu
O meu pai com seu terno impecável e sapato lustroso me levava pela mão
Encantada Galéu sentia o perfume da brilhantina no pai, orgulho de menina
Ao entrar na porta da sertã lanchonete em voga no seu tempo e eternizada no seu coração.
Salada de fruta! Pedia o papai, com sorvete e pudim :
Esse é o prato predileto da menina,dizia orgulhoso o pai.
O seu nome é o mesmo da música da sertã e avermelhava as bochechas da menina
Mas sorridentes clientes faziam festa:
Incrustado no meu coração, onde os sapotis expostos perfumavam as ruas
Misturando-se aos das frutas maduras que era delicia ao paladar
No misto de saudade e ternura,
Sei que tu és Recife, Cidade Eterna
E viverás eternamente assim
Cidade, bela , larga , pura.
Linda, no meu coração de menina Galéu.

 

 

BRAVA GENTE BRASILEIRA


Nestes Mares Gigantescos
Desta gente tão bravia
Nestas terras verdejantes
Onde o sol faz a morada
E ao som da patativa
A brava gente brasileira
Em ditosa caminhada

Tem a terra por altar
E a água por morada
Lindos campos tão floridos
De cores tão festejadas
São as ruas desta terra
Onde Deus fez a morada

Nelas posso ver o índio
Cor vermelha decantada
Posso passear com o Negro
Branco e Negro de mãos dadas

Brava gente brasileira
Por Maria abençoada
Senhora da Conceição
È á dona desta morada
E a Mãe Aparecida
Na cor negra é festejada
Tem a senhora do Mar
Iemanjá Abençoada

Brava terra tão florida
De alimentos cobiçados
Tem manga, mangaba e coco
Tem mandioca e milho verde
Pra gringo que nunca viu nada
Tem açúcar no coração
Do verde esvoaçante
Dos canaviais bravios

Brava Gente Brasileira
Onde Deus fez a morada
Onde andam negros e brancos
Juntos na mesma jornada

Onde Cristãos e muçulmanos
São amigos de caminhada
Onde nas igrejas ecoam
O respeito e o amor
Onde todo o povo vive
Na paz do Nosso Senhor

Bravos corações amantes
Brava terra que é morada
No coração do Senhor
Esta gente abençoada.

A nação brasileira foi arquitetada por Deus. Força criadora, Pai e Mãe de todo bem e toda a natureza. Onde negros, índios, negros, ciganos, vivem em harmonia, respeitando a diversidade cultural e reconhecendo que somos todos uns. O que resta ao homem para viver em comunhão com Deus.



Foto: A voz do vento
(Poesia de Margarett Leite)

Se eu tivesse a voz do vento
Traria cantos de amor sublime
Os sons dos pássaros 
E dos tambores

Se eu tivesse a voz do vento
Seria canto de sereia
Seria o cantar do Irapuru
Ou o piar sonoro e triste do Anum
Anunciando que a chuva não vem

Se eu tivesse a voz do vento
Cantaria uma ópera ao coração
Seria uma orquestra de emoção
Do nascimento do sol

Se eu tivesse a voz do vento
Chamaria-te para cantar
As antigas canções de ninar
Com todas as notas de amor

Mas se eu tivesse a voz do Vento
Seria cheia de fervor
E não cantaria jamais
Uma canção de guerra 
Porque meu canto seria de paz.


A voz do vento
Se eu tivesse a voz do vento
Traria cantos de amor sublime
Os sons dos pássaros
E dos tambores

Se eu tivesse a voz do vento
Seria canto de sereia
Seria o cantar do Irapuru
Ou o piar sonoro e triste do Anum
Anunciando que a chuva não vem

Se eu tivesse a voz do vento
Cantaria uma ópera ao coração
Seria uma orquestra de emoção
Do nascimento do sol

Se eu tivesse a voz do vento
Chamaria-te para cantar
As antigas canções de ninar
Com todas as notas de amor

Mas se eu tivesse a voz do Vento
Seria cheia de fervor
E não cantaria jamais
Uma canção de guerra
Porque meu canto seria de paz.

 

Foto: O PESCADOR

(POESIA DE MARGARETT LEITE)

SEGUE TÃO TRANQUILO
POR PODER PESCAR
NO CELEIRO DA TERRA
OS ANJOS VÊM ILUMINAR

PESCADOR DA ALMA
E DO CORAÇÃO
QUE SERVE E ACALMA
AS DORES DO IRMÃO

PESCADOR DE LUZ
ELE É A SALVAÇÃO

E NA LUZ PROGRIDE
QUEM SÓ SABE AMAR
POIS O PESCADOR
VEIO NOS SALVAR

LEVAR PARA O CÉU
TODOS OS REBENTOS
QUE DA LUZ GEROU
NESSE SEU LAMENTO

SE FARTANDO FICAM
TODOS OS QUE SEGUEM
O SEU CLAREAR
E DE LUZ SE TORNAM
NESSE NAVEGAR

PESCADOR DE LUZ
NÓS SOMOS IRMÃOS
POIS EM LUA CHEIA 
TU VENS PRA FICAR
E A NOSSA VIDA 
VENS ABENÇOAR.


O PESCADOR

SEGUE TÃO TRANQUILO
POR PODER PESCAR
NO CELEIRO DA TERRA
OS ANJOS VÊM ILUMINAR

PESCADOR DA ALMA
E DO CORAÇÃO
QUE SERVE E ACALMA
AS DORES DO IRMÃO

PESCADOR DE LUZ
ELE É A SALVAÇÃO

E NA LUZ PROGRIDE
QUEM SÓ SABE AMAR
POIS O PESCADOR
VEIO NOS SALVAR

LEVAR PARA O CÉU
TODOS OS REBENTOS
QUE DA LUZ GEROU
NESSE SEU LAMENTO

SE FARTANDO FICAM
TODOS OS QUE SEGUEM
O SEU CLAREAR
E DE LUZ SE TORNAM
NESSE NAVEGAR

PESCADOR DE LUZ
NÓS SOMOS IRMÃOS
POIS EM LUA CHEIA
TU VENS PRA FICAR
E A NOSSA VIDA
VENS ABENÇOAR.





Quem é você

Quem é você que me cerca de esperança,
Que me aquece e me festeja com o olhar.
Quem é você ?
Que chega com a noite e voa com o amanhecer.
Quem é você, que é sábio em prometer
E pobre em praticar...
Quem é você tão belo e tão perfeito
Que  entrou  no meu peito
E teima em ficar.
Calado ,colado , esperando acabar...
Teimoso e medroso
Amante amoroso que sabe me amar.
Uma hora, algum tempo, para sempre
Até quando restar.

Perfumada e macia

Tudo é poesia quando estou a te esperar
Perfumada ,macia,vestida  com pijama de cetim
Quase volátil ,com o cheiro de mulher
Quase menina com anos a esconder
Tudo é belo e cheira a flor quando eu vou te aquecer .
Tudo é triste e sem cor quando penso em te perder
Perfumada e macia
Pele branca de cetim
Na penumbra do amor
Só espero o teu querer.

Belo 

O trigo maduro dos teus cabelos
Mas a toalha resta na cadeira
O pequeno apartamento
É um templo
Tua roupa resta na cadeira
O olhar é de ternura
Minha pele é de seda pura
Os apelos  são de tuas mãos
Os chamados são os meus braços
O meu tempo é tua canção
O que resta é o teu cheiro
 E os passeios dos lábios teus
Navegando em meu corpo como uma canção.
O que quero
Quero , não quero
E o tempo a passar
Sem dó e sem remédio
Eu deixo o tempo avançar
Quero o que quero
Nos sons do teu embalar
   Quero os teus braços
O teu apelo, quero os teus pelos
Quero o que sinto
 Como é bom te amar.

Frase certa

Te amo,
Frase incerta, até quando.
Tu me aceitas , me tocas,
Me rejeitas .
Nas tramas do olhar.
Frase certa, me tosquio;
Frase incerta ,te procuro,
Até quando o amor restar.
Na minha cama,
Sem rimas
Estais em cima,
Frase certa,
Para me amar.

Noite perfeita

Me perfumo,melhores sons,penumbra.
Tu chegas, cheirando bom
Sentido tudo,vendo o que ninguém VÊ,tendo o que ninguém tem.
Noite perfeita,tuas mãos dormem nas minhas
Teus braços no meu enlaço
Teu gosto esta em mim.

Não brinque de amar
 
Se brincares de me amar
Leves contigo antídoto
Do meu veneno
Que embora pleno
Ressuscita-te em vez de te matar.
Querendo bis,querendo teus braços,
Me entrego me enrolo,me enlaço,
 Nos aconchegos e chamegos.
  sim ,quero te matar,
 de amor,
 de prazer.
É só você que vou ganhar.
Tu gostas das minhas carícias ,
 Das ternuras e premícias
Ficas preso no meu modo de amar
Como é belo o meu amor
Alto , forte e inteligente
Mas não sabe me amar,
 deixa as mãos longe de mim.
Por tempo demais,
 deixa minha pele respirar,
 tempo de mais .
Sem os seus pelos sem os seus braços,
como eu faço para te encontrar.
E te enlaçar ,
 me entregar ,
 ficar plena no teu trigal.

TU 

Dizes que me amas
Mas eu quero sempre mas
Quando acordas e não me tocas
Digo que não amas mas,
Tu reages e me envolves nos teus braços,no meu corpo
No meu tato , no contado tão longo que digo te amaaaaaar.
Noite
Preparei tudo , fui ao mercado ,comprei iguarias
Vesti algo  lindo e macio
Preparei  a mesa, a cama ,perfumei os lençóis de cetim.
Coloquei a música suave que acalma e nos faz sonhar.
E dormi, acordaste-me que surpresa!
A música era o teus sussurros, o gosto era teu paladar a roupa estava rasgada,
A cama desalinhada cheirava ao nosso amor e a noite foi tão longa e calma
Que neste sonho , esqueci de acordar.


Seu gosto




Com um paladar nato
Sinto o teu gosto
De sapoti
Manga madura
Delícia de abacaxi
Pudim de laranja
Você tem gosto do que é bom.
Me regalo, te sacio.
Com meu gosto de mulher,
Que sem pensar em mais nada
Tudo dar,  e tudo quer.
  
 Nas ruínas

O tempo passou , e eu sem te ver.
Mas ao chegares a minha porta,
que emoção.!
  estavas, tal qual um gladiador.
Sem pensar em mais nada
Ti  queria como nunca
Nos juntamos , nos amamos
Até o amanhecer ,jogamos a poeira
Construindo das ruínas tudo novo\
 Sonho ,amor,sexo,
Pernas , braços, mãos, olhos .
Sede de viver.

Sexamensagem

Quanto tempo faz que não te amo
Há quanto tempo teu corpo não aquece o meu?
Teus pelos não machucam .
Tuas mãos não percorrem o caminho,
Que dá no meu prazer.
Corra e aproveite essa rara recaída.
Talvez por imaginar-te inteiro e meu.
Eu possa acreditar ainda,
Que temos dez anos de prazer.

VENTO FORTE

A onde, vais som forte dos ventos?
sabes onde chega a vaga que não quebrou?
Ela segue serena e se desfaz na areia ,
sem deixar marcas por onde passou .
E o vento transforma-se em leve brisa,
no suave toque dos carinhos meus.
 mas com o vendaval que trazes com o toque, feres sem dó
os sentimentos meus.
De onde deslizas no meu corpo teu.
A onde vais? vento forte do norte .
Ver onde segue esses passos teus .
Sons infinitos chegam aos meus ouvidos,
Dizendo, espera, esse amado teu. 
Margarett leite de oliveira


De repente é noite

Percorrendo sonhos.
De repente é noite.
E a sua natural melancolia.
Nas calçadas vazias.
Nos brilhos dos faróis.
Nas ruas desertas
Que eu não passei.
De repente 

 Noite

Com visões de luas cheias
Que ficam detidas
no brilho das águas...
Nessas ruas
que não te encontrei.
De repente é noite ,
Nas paralelas estradas, onde só pisei,
 nas pegadas do meu coração.
De repente um grito,um lamento...
Na noite que não estais
homem do luar.
De repente descobertas noturnas.
Sons, cheiros,e sedas a deslizar
no meu corpo.
Nas mil e uma noites,
Que te encontrei perdido
No abraço que será eterno.
Eternizando a noite que não mais será. 

Não posso te perder

Não posso te perder, pois sem você por segundos
não deixo o ar sair dos pulmões.
Não posso te perder,
Por séculos e séculos
Procurei-te..
E  ao   te encontrar
os pássaros fizeram ninhos
na varanda.
Que ainda não morei.
Não posso te perder.
Porque te procuro a cada segundo
do nascer ao por do sol
e quando te encontro
volto a respirar.
Seguindo a voz do coração.
Caminho por veredas escuras
com o teu toque em minhas mãos
clareando assim com os nossos sonhos de luz
a escuridão de outrem.
Não posso te perder.
Espero amor , o teu compasso,
para andar sempre,
Quem sabe, segurando a tua mão
Sentindo os teus braços me cercando.
Vivendo a minha vida em tua vida.
Onde Deus é louvado.
PORQUE sem você por segundos
não deixo o ar sair dos pulmões.
Não posso te perder
por séculos e séculos
Procurei-te..
e  ao   te encontrar
os pássaros fizeram ninhos
na varanda
que ainda não morei.
Não posso te perder
porque te procuro a cada segundo,
do nascer ao por do sol,
e quando te encontro
volto a respirar.
Seguindo a voz do coração.
Caminho por veredas escuras
com o teu toque em minhas mãos.
Clareamos assim, com os nossos sonhos de luz
a escuridão de outrem.
Não posso te perder.
Espero amor o teu compasso,
para andar sempre,
quem sabe, segurando a tua mão.
Sentindo os teus braços me cercando.
vivendo minha vida em tua vida.
 Onde Deus é louvado

GOSTO DE PARA SEMPRE

Passastes por minha vida amor ,
deixando as marcas dos ancestrais, amores imortais.
Dos coretos repletos das bandas matinais.
dos perfumados jardins onde aurora nos incendiava.
Passastes deixando o gosto do sapoti maduro,
o aroma do café coado na hora ,
 o cheiro das colônias inglesas ,
e o tato da seda e do cetim no corpo .
Passastes, e sem rastros saístes.
Bastando- me um leve sopro de esperança alva .
Onde as carícias voam ,
do passado ao presente.
Com gosto de “para sempre.”
  
Margarett l. oliveira 


Vestido de Azul

Que bom te ver.
Vestido de azul ,
quando não mais havia dias de paz.
Bom te ver com um sorriso puro disfarçado de criança ,
ainda que.
Renegando afagos e desfazendo desejos .
Chegando a luz do meu olhar,
e ver- te deixando-se sonhar comigo .
Entregando o que de melhor há em ti ,
colocando-te dentro do meu coração.
Que bom saber-t,
sempre meu.
Lembrança eterna .
Que bom, te ter amor.
 Para acalento e para rimas.
Paulista,23/03/2007
Margarett leite de oliveira



Sempre Complemento

Quem ouviu os uivos que assustam as esperanças
que habitam as montanhas ?
Quem dispensou todas as largas portas,
dessa estrada que não vou passar ?
Quem silenciosamente planejou beber
da água cristalina que restava no meu corpo .
e  derramou meus crtstais até não mais poder.
Em terras inabitadas .
Em lugares sedentos.
Quem passou pelo portal da humanidade,
e se deitou sereno, todo dentro da luz do meu viver.
Sempre formará lagos de amor.
Ilhas de ternura.
Montanhas de emoção,
onde ruivos estridentes não chegarão lá,
e desamores , lá não entrarão.
Este sempre trará a paz.
Nas guerras das entranhas.
Em sedes nunca ditas .
Por se complementar
dentro do meu ser.

MULHER

 Ave abrindo-se e salvando-se em perfeita junção.
 Salve-se se puder do corpo ,do senso do chei
De mulher , o tato o fato, o falo, Salve e Ave.
Ès tu MULHER!
 
QUERO-TE


Quando estou na cama,
Quando me amas,
Quando sinto o teu odor.
O teu tato.
Quando calo.
Sinto todo o teu amor.
Grito teu nome no ar.
Fico tonta de prazer
Falo , que falo,
Quero te ter.


Nada sabes de mim


Se tu me tocas, se enroscas,
Minha pele é toda amor.
Mãos  que falam, mãos que calam.
Nada sabes do meu prazer,
Por me calar, por me enroscar
Por me entregar ao teu viver.

Nada sabes do que penso,
Sobre o senso do te ter,
Na minha cama, na minha pele,
No meu quarto meu cantinho
Teu carinho é todo meu?

Se me tocas,
me enroscas
Nas pernas,
nas coxas,
descobres o teu querer.

FUGI DE TI


Te vi, reconheci-te pelas costas.
Fiquei quieta a te olhar.
Não corri para os teus braços
Fiquei ali sentada.
Temendo que reconhecestes os batimentos do meu coração.
Nada poderia me fazer cair em teus braços.
Estava livre
De lágrimas
De noites sem dormir
Levantei de mansinho
Sem fazer ruído algum
Fugi
MAS MINHA RESPIRAÇÃO me entregou
MEU CORAÇÃO  me delatou
Correstes para me abraçar.
Eu amo te amar.


GRANDE SER


ERGUENDO OS OLHOS


TI VI SENTADO NO MAIS ALTO
JORRANDO LUZ
PARA OS CAMINHOS CLAREAR

EM MEIO A TEMPESTADES

NO ÂMAGO DE TUDO
ESTAVAS LÁ
GRANDE SER

VERTENDO VERDADES PRIMEIRAS

DEITADO NA PAZ VERDADEIRA
QUE BUSCO ENCONTRAR.





BREVE TEMPO


DESCOBRI QUE AINDA HÁ SONHOS
QUANDO TE VI COM OS OLHOS DO AMOR
NÃO TINHA NAQUELE LEDO ENCANTO
TODA SAUDADE QUE NOS TEUS OLHOS VI
ENTÃO COM SONHOS TEMPEREI TODA VERDADE
E ME SENTI NAS TUAS  ESTRADAS NOUTRAS VIDAS
TERNURAS, SONHOS, SEDAS, ADOÇANDO A MINHA VIDA
PORQUE A TUA ESPERA ERA TÃO QUERIDA
ESQUECI TODA TRISTEZA DESSA VIDA
E CORRI PARA VOCÊ COM AS SEDES DOS MORTAIS
QUANDO JÁ NÃO HAVIA SONHOS PRA SONHAR
DESCORTINEI A LUA E NOS TEUS BRAÇOS, DEITEI-A NUA
E COLORI COM O ARCO-IRIS OS SONHOS TEUS
SAUDADES. NÃO AS TENHO PRA CHORAR
POIS SIMPLESMENTE CORRO OS OLHOS E TE ENCONTRO NO CÉU
CONFUNDINDO-TE COM OS LUZEIROS DE DEUS
E DOU UM TEMPO PARA VOCÊ COMIGO ESTAR.

______


NAS CHAMAS DA INQUISIÇÃO ...QUEIMARAM SONHOS E IDEAIS...MAIS A VERDADE É SUPREMA E NÃO PODEM APAGAR A CHAMA DO CRIADOR EM CADA ALMA DOS ANUNSINS...

______

O TEMPO É PARA CONSTRUIR

É TEMPO


POESIA DE MARGARETT LEITE

É TEMPO DE COLHER A FLOR QUE NASCE
É TEMPO DE OLHAR A CHUVA QUE CAI ATRAVÉS DA JANELA
É TEMPO DE SENTIR O CHEIRO DA TERRA MOLHADA

É TEMPO CHORAR A SOLIDÃO COMO PÁSSARO MIGRANTE
É TEMPO DE SER SÓ E SÁBIO
É TEMPO DE SER SÁBIO POR ESTAR SÓ

É TEMPO DE SENTIR DE OLHOS FECHADOS O PERFUME DA FLOR
É TEMPO DE CONTEMPLAR A NATUREZA AO POR DO SOL
É TEMPO DE RENASCER NAS FLORES DA FLORESTA

É TEMPO DE SILENCIAR
É TEMPO DE CONSTRUIR
É TEMPO DE MULTIPLICAR
A PAZ.

______
 
VOAR NA LUZ
AFOGAR MEUS SONHOS NAS ASAS DE UMA ESTRELA
VOAR NA VELOCIDADE DA LUZ DE UM NOVO SOL
CRIAR ORVALHOS NA ROSA DESABROCHADA
FINCAR RAÍZES NO ESPAÇO E NÃO MAIS ME INTEGRAR
QUERER LAMPEJOS DE PAZ NA SONORA VALSA DA AURORA PLENA
GERMINAR VOLÁTEIS AROMAS DE AMOR SUPREMO
E LÁ FICAR.


______



DIAMANTES






AMORES E DIAMANTES SÃO ETERNOS
INCRUSTADOS NO MEU CORAÇÃO
SÃO CRISTALIZAÇÕES DE SENTIMENTOS


NADA PODE APAGAR O AMOR
MESMO O TEMPO, COMPANHEIRO DOS AMANTES

SE O TEMPO PEDIR ALGUM TEMPO PARA TE ESPERAR
VESTIR-ME-EI DE SEDAS E BRILHOS PARA TE CONQUISTAR

SE MESMO ASSIM O AMOR APAGAR
SENTAREI A MINHA PORTA
COM A SIMPLICIDADE DAS POMBAS

POUSAREI NO TEU CORAÇÃO
NO TEMPO DO ENTARDECER











                                                                                                  

A PONTE



ERA APENAS A IMAGEM DE UMA PONTE
DOIS VEIOS DE ÁGUA CORRIA SOB A PONTE

AS FORES AMARELAS ACORDAVAM A VIDA
DE TANTAS VIDAS QUE PASSARAM PELA PONTE

A ÁGUA VIVA NAS PEDRAS ESCURAS DO TEMPO
ERA APENAS UMA P0NTE...E EU ESTAVA LÁ
EM ALGUM MOMENTO DO TEMPO PASSADO
MINHA VIDA SE JUNTOU AS PEDRAS DESSA PONTE

E PERGUNTOU AO TEMPO


EM QUE TEMPO O PASSADO SE ESCONDEU
EM QUE CANTO OS IRMÃOS SE SEPARARAM
EM PONTOS DESIGUAIS
NA MESMA HISTÓRIA...DE UMA SIMPLES PONTE.

ERA APENAS UMA PONTE QUE TOCOU MEU CORAÇÃO
PERDENDO-ME EM SAUDADES DO TEMPO QUE NÃO VIVI
NA PALMA DO DESTINO...UMA MÃO ESTENDIDA
PARA ME AJUDAR NA TRAVESSIA DESSA PONTE
POR QUESTÃO DE FATO E DE TEMPO
ERA APENAS UMA P0NTE.



















Recife Velha Amiga  

  



Estranho esse novo olhar sobre tuas pontes seculares

Estranho esse sabor de partida num mesmo lugar do caís

Estranha essa euforia de gente que vai e vem

Nas tuas ruas onde os mascates nasceram

Muito atenta, senti que envelhecias

Quando eu te pensava: Eterna cidade dos Cais

Estranho esse sabor de saudades

Que nutre ausências com gosto do sapoti
Estranho esse sentimento
De te saber soberana das pontes
Quando te vejo nas saias
Daquelas meninas rodadas do caís
Estranho esse doer de sentimentos
Que tu cidade me trás.
 


 

 
Margarett Leite



___________________________




VALQUE SANTOS




Valque Ramos dos Santos, nascido em 25 de novembro de 1959.
Filho de Romildo Ramos  dos  Santos, In  Memoriam,  e Djanilda Albino dos Santos. Pernambucano de Recife, atualmente reside em Jaboatão dos Guararapes.
É  Conselheiro  de Cultura e Políticas Públicas Municipais de Jaboatão dos Guararapes, representando a Academia de Artes Cidadã, membro da União Brasileira de Escritores UBE - Sociedade dos Poetas Vivos de Olinda – SPVO – e Acadêmico na Academia de Letras de Jaboatão dos Guararapes – ALJG.

Participou  da 2ª Conferência de Cultura do Município de Jaboatão dos Guararapes/PE –
Ganhou o 3º  lugar no 2º  Prêmio Solano Trindade de Poesia Afro-brasileira  na mesma cidade, com a poesia “Sou negro e um pedaço da África”.
Participou do Fórum PROMAC, Programa de Atitude Cultural, do 1º Encontro das Academias da Microrregião de PE, na cidade Escada.
Recebeu o Prêmio Casimiro de Abreu na 1ª Lírica Literária, na cidade de Barra de São João,  RJ.




Além de publicações esparsas em jornais e revistas escreveu os seguintes livros:


Amizade & Poesias
Recife, 1982. Ed. do Autor.
Dez Poemas d’um amor total.
Recife, 1983. Ed. do Autor.
Quatro poemas de rua.
Recife, 1985. Ed. do Autor.
Poemas, Contos e Crônicas inesquecíveis Antologia,
Recife, 2001. Novoestilo.
Joias  da literatura brasileira.
Antologia, Recife, 2002. Novoestilo.
Além do olhar
Antologia, São Paulo, 2014, Ed, Celes.
Além da solidão
Olinda, 2014. Editora Babecco.
Bouquet de Desejos - Poesias sensuais
Olinda, 2014. Editora Babecco.
Nunca mais vou esquecer de lembrar de você
Olinda, 2014. Editora Babecco.


Lançamento do Livro "Nunca mais vou esquecer de lembrar de você"
Recife, 23 de outubro de 2014, na FUNDAJ Derby




 

Nenhum comentário: